Monday, March 22, 2010

PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE AMOR


Olha só, aqui vai mais uma para a lista de notícias: casamento gay foi liberado no México. Semana passa mesmo. No duro!

Casamento gay não é legal na maioria dos países. E, quando um país grita em bravos pulmões: “Nós vamos legalizar!”, outros países ficam indignados. Por que será? – eu penso.

Mas é claro: porque nós odiamos gays! Por que mais seria?

Ser homossexual assumido é quase tão grave quanto ser negro há não muitos anos atrás. Lembram? Quando eles eram escravos? Ah, nós não éramos nascidos naquela época. Mas muitos já eram nascidos quando os negros foram segregados e não podiam ir às mesmas escolas que os brancos. Lembram dessa?

Hoje, a escravidão é um tabu. Ninguém mais fala nisso. Existem leis contra discriminação. Negros agora têm direitos. Qualquer um que falar ou escrever alguma coisa racista pode ser incriminado, pelo menos no Brasil. Fica, então, terminantemente proibido odiar um negro só pelo fato dele ser negro.

Ser mulher não fica nada atrás na lista dos seres mais odiados do mundo. Afinal, nada que sangra por cinco dias e não morre pode ser bom. Na maior parte do mundo, mulheres ganham menos que os homens, ocupam menos cargos de diretoria em empresas e têm menos poderes gerais de decisão.

Macho branco heterossexual adulto: o mundo ainda é seu.

Eu fico aqui, pensando com os meus botões: quanto tempo vai demorar para que odiar gays pelo simples fato deles serem gays se torne tão vergonhoso quanto odiar um negro por ele ser... bom, negro?

Gays. Negros. Mulheres. Árabes. Judeus. Seres humanos, talvez?

Será que as pessoas que são contra o casamento gay já se apaixonaram? Será que elas já sentiram as pernas tremendo? Não no sentido figurado. Não! Será que as pernas delas tremeram de verdade? E elas perderam o controle físico, nem que por alguns segundos? Será que os tomadores de decisões já quiseram falar alguma coisa para alguém, mas não puderam, porque eles estavam no estado de transe que só o amor é capaz de proporcionar?

E será que os que são contra o casamento gay já colocaram as mãos no ombro de alguém e pensaram com eles mesmos: “eu poderia morrer aqui, feliz”? Será que essas pessoas já olharam para alguém e gritaram: “Tudo o que eu quero é me casar com você!”? Será?

Eu não estou falando de gays. Estou falando de seres humanos, e acima de todas as coisas, de amor. Ninguém deveria, em qualquer momento, ser privado do único sentimento capaz de salvar o espírito. Amor.

Dentre todas as coisas odiáveis que o mundo oferece, o amor escapa. Não é possível odiar o amor. O amor não se explica, não se descreve, muito menos se odeia. O amor só se manifesta.

Por isso, vocês que são contra o casamento gay, meus caros conservadores:

Procurem alguém para amar imediatamente. E então, quando vocês sentirem um embolado de tremeliques, batidas cardíacas descompassadas, arrepios e a vontade inexorável de passar o resto de suas vidas ao lado de alguém... só então, vocês vão entender o sentido.

Neste meio tempo, pense que as futuras gerações vão olhar seu retrato em um livro de história e pensar: “quão atrasados fomos”.

Fica aqui o meu mais sincero suporte a todos aqueles que, acima de tudo, não perdem a capacidade deixar o amor tomar conta.

1 comment:

tecituras said...

Salve o Amor!!!!! O amor é FODA Henry Miller!

Rick Martin Assumiu!

Post a Comment